abril 5, 2020

Blog thumbnail

O Coronavírus canino

O coronavírus canino é um agente patógeno de natureza viral que causa uma doença infecciosa nos cachorros, independentemente da sua idade, raça ou outros fatores, embora seja verdade que os filhotes são mais suscetíveis a contrair esta infecção. Pertence à família Coronaviridae, a espécie mais frequente que contagia os cachorros é o Aplhacoronavirus 1 que faz parte do gênero Alphacoronavirus.

Trata-se de uma doença de curso agudo. Para compreender melhor este conceito é possível compará-la com o resfriado que os humanos costumamos sofrer, pois tal como o coronavírus trata-se de uma doença viral, sem cura, ou seja, com um curso agudo e sem a possibilidade de cronicidade.

Os sintomas da doença começam a manifestar-se após o período de incubação, que costuma durar entre 24 e 36 horas. Trata-se de uma doença tão contagiosa como prevalente, embora se for tratada a tempo não costuma apresentar nenhuma complicação nem sequela posterior.

O coronavírus que afeta os cachorros é diferente do coronavírus felinos e, também, diferente do 2019-nCoV. Dado que essa nova linhagem descoberta está sendo objeto de estudo, não é possível afirmar nem desmentir que afete os cachorros. De fato, os especialistas suspeitam que é provável que possa afetar qualquer mamífero, uma vez que acreditam que surgiu a partir de determinados animais selvagens.

Se o seu cachorro tiver contraído esta doença é possível observar nele os seguintes sintomas do coronavírus canino: Perda de apetite; Temperatura superior a 40ºC; Tremores; Letargia; Vômitos; Desidratação; Dor abdominal; Diarreia súbita e mal cheirosa, com sangue e muco.

A febre é o sintoma mais representativo do coronavírus canino, bem como a perda de líquidos através de vômitos ou diarreia. Como você pode observar, todos os sinais clínicos descritos poderiam coincidir com outras patologias, por isso é importante buscar ajuda profissional o mais rápido possível para que o diagnóstico seja certeiro.

Além disso, o seu pet pode estar infectado e não manifestar todos os sintomas expostos, por isso é importante consultar o veterinário mesmo se tiver observado apenas um dos sinais, uma vez que o sucesso do tratamento do coronavírus depende, em grande parte, da rapidez com que se detecta a doença.

O coronavírus canino excreta-se através das fezes, pelo que a via de contágio através da qual esta carga viral passa de um cachorro para o outro é através do contato fecal-oral, sendo um importante grupo de risco todos aqueles cachorros que apresentam uma alteração do comportamento chamado coprofagia, que consiste em ingerir fezes.

Uma vez que o coronavírus tenha entrado no organismo e se tenha cumprido com o período de incubação, ataca as microvilosidades do intestino (células imprescindíveis para a absorção de nutrientes) e causa a perda da funcionalidade das mesmas, o que provoca de forma súbita diarreia e a inflamação do aparelho digestivo.

O coronavírus que afeta unicamente os cachorros, o Aplhacoronavirus 1, não contagia os humanos. Como já mencionamos, esse é um vírus que apenas pode ser transmitido entre cachorros. Dessa maneira, se você também se pergunta se o coronavírus canino contagia os gatos a resposta é não.

Contudo, se um cachorro fosse afetado pelo coronavírus tipo 2019-nCoV poderia passar para os humanos, pois é uma doença zoonótica. No entanto, como mencionamos anteriormente, ainda está sendo estudado se os cachorros podem se infectar ou não.

O tratamento do coronavírus canino é paliativo pois não existe uma cura específica. É necessário esperar até que a doença acabe de realizar o seu curso natural, por isso o tratamento baseia-se em aliviar os sintomas e prevenir possíveis complicações.

O veterinário é a única pessoa capacitada para recomendar um tratamento farmacológico ao seu pet e este deve ser utilizado seguindo as instruções específicas do mesmo.

Existe uma vacina preventiva elaborada com o vírus vivo modificado que permite dar ao animal imunidade suficiente para protegê-lo contra a doença. No entanto, o fato de um cachorro estar vacinado contra o coronavírus canino não significa que o animal esteja totalmente imune. Quer dizer, o cachorro pode ser contagiado mas, provavelmente, os sintomas clínicos serão mais leves e o processo de recuperação mais curto.

Por não existir um tratamento exato para o coronavírus canino não significa que o animal não possa se curar. Na verdade, a taxa de mortalidade do coronavírus é muito baixa e costuma afetar os cachorros imunossuprimidos, idosos ou filhotes. Concluindo, o coronavírus em cachorro é curável.

Tendo em conta o tratamento contra o coronavírus canino estipulado pelo veterinário, é importante tomar algumas medidas afim de evitar que o vírus contagie outros cachorros e você proporcione uma adequada recuperação do cachorro doente. Algumas das medidas são:

Manter o cachorro doente isolado. É importante estabelecer um período de quarentena até que o animal elimine completamente o vírus para evitar mais contágios. Além disso, dado que o vírus se transmite através das fezes, é imprescindível pegá-las corretamente e, se possível, desinfectar a região em que o cachorro defecou.

Oferecer alimentos ricos em prebióticos e probióticos. Tanto os prebióticos como os probióticos ajudam a reestabelecer a flora intestinal do cachorro e a fortalecer o sistema imunológico, por isso é importante oferecer a eles durante esse tipo de processo de recuperação, uma vez que não tem cura direta, o cachorro precisa fortalecer seu sistema imunológico.

Manter uma dieta adequada. Uma dieta correta também pode ajudar a fortalecer o sistema imunológico de um cachorro com coronavírus, além de evitar uma possível desnutrição. Também é muito importante comprovar se o seu cachorro está ingerindo água.

Evitar estresse. As situações estressantes podem prejudicar o quadro clínico do cachorro, por isso quando você estiver tratando um cachorro com coronavírus deve ter em conta que o animal precisa permanecer tranquilo e o mais calmo possível.

A duração do coronavírus canino no organismo do cachorro é variável pois o tempo de recuperação dependerá totalmente de cada caso, do sistema imunológico do animal, da presença de outras infecções ou, pelo contrário, se melhora sem qualquer dificuldade. Durante esse processo é fundamental manter o cachorro isolado de outros cachorros para evitar a propagação do vírus. Apesar de notar a melhora do animal, é preferível evitar esse contato até que você esteja completamente certo de que o vírus está eliminado.

Agora que você já sabe que o coronavírus canino tem um tratamento sintomático, o mais adequado é tentar prevenir o contágio. Para isso, são necessários alguns cuidados simples mas completamente indispensáveis para manter o estado de saúde do seu pet, como:

– Seguir com o programa de vacinação definido;

– Manter condições de higiene nos acessórios dos seus cachorros, tais como brinquedos ou mantas;

– Oferecer uma alimentação adequada e exercício físico suficiente ajudarão para que o sistema imunológico do cachorro se mantenha em ótimo estado;

– Evitar o contato com cachorros doentes. Esse ponto é mais difícil de evitar uma vez que não é possível saber se um cachorro está ou não infectado.

Deixe uma resposta